Minha Vida em Marte é pautado pelo carisma do elenco

Não tem jeito: a indústria brasileira de cinema vai continuar investindo nas comédias televisivas até a fórmula se esgotar… ou até alguém ter coragem para mudar isso.

Marte4Embora esse sucesso das comédias deva ser valorizado e respeitado, afinal, se as pessoas estão indo ao cinema para assistir a filmes brasileiros, é algo para se comemorar, mas, como acontece com a grande maioria dos exemplares do gênero, fica a sensação de deja vu.

E no caso de Minha Vida em Marte, realmente já vimos este filme antes.

Após o sucesso de Homens São de Marte, uma continuação era inevitável.

O filme conta a história de Fernanda (Mônica Martelli), que está na crise da meia idade e seu casamento com Tom (Marcos Palmeira) já caiu na rotina. Quem a salva do tédio é seu sócio Aníbal (Paulo Gustavo), que sempre parece ter uma resposta e solução inteligente para os problemas de sua amiga.

Fernanda fica na dúvida entre salvar ou deixar o casamento de lado e ainda tem que lidar com a pressão da idade, da filha pequena e da vida em uma metrópole.Marte3

O filme pode parecer clichê – e é clichê. As piadas, embora a maioria funcione, não são nada diferentes das vistas na TV, embora o retrato da crise da meia idade e da rotina do casamento, seja apresentado de forma honesta e não vai ser difícil encontrar quem se identifique com o casamento na rotina e ainda com uma filha (o) no meio.

Mas se o público vai se identificar com a trama do casamento e da idade, o mesmo não se pode dizer das soluções para a depressão da personagem, sobretudo por se tratar de um país em crise.

A protagonista sempre resolve seus problemas com as compras: gasta muito em lojas, sex shop e até com viagens internacionais.

Já que o filme se propõe a ser mais próximo do público, faltou conversar com todas as classes sociais – e em momento nenhum vemos a protagonista desenvolvendo seu trabalho.

Marte1Isso sem contar o desfecho simplista e convencional, que quase detonou a obra, mas que não deve desagradar seu público, assim como algumas lacunas do roteiro envolvendo o personagem Tom e suas mudanças de rumo na história.

Nada dessas ressalvas, porém, tiram o carisma da dupla principal: Mônica Martelli e, principalmente, Paulo Gustavo.

Sem a química e sintonia da dupla, o filme não seria o mesmo e é o que leva a trama até o final.Marte2

Embora Mônica seja uma boa comediante, atriz e tenha se encaixado bem no papel, é Paulo Gustavo o dono das melhores piadas e momentos do filme, que parece sempre ter uma resposta e solução para os dilemas da protagonista e que sempre está ao lado dela.

Seu personagem é tão perfeito e cômico que não há de duvidar de um spin-off, vai depender do sucesso deste filme aqui.

Minha vida em Marte deve atrair milhões aos cinemas e é uma boa pedida para o fim do ano. Quem esquecer as conveniências do roteiro e as soluções fáceis, pode encontrar um programão, principalmente se for a dois e para refletir sobre o relacionamento.

Já quem não esquecer, tudo o que podemos dizer é boa sorte.

3 vidas

 

 

Nerd: Raphael Brito

Share This Post On